Da cantora, a tal de Sia Furler, simplesmente Sia, para os amigos, nunca tinha ouvido falar, quando a minha filha de 11 anos me mostrou o clipe da música Chandelier. Fui procurar e, na diagonal, percebi que é australiana e é mais famosa pelas suas participações com os Zero 7. Ok, não está mal. Isto é, musicalmente não me aquece nem arrefece, mas falta-lhe sal.

Porque vem então aqui parar isto, pergunta o atento leitor. Porque, ao clicar no play vai assistir a uma performance de dança como há poucas e, pasme-se, protagonizada por uma pirralha de 12 aninhos, de seu nome Maddie Ziegler. Na minha modesta, humilde e amadora opinião, um génio da sua arte, a dança.

Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui. Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.
Apreciem-se os restantes trabalhos aqui.

Não é absolutamente nada de estranhar que estes tipos sejam todos super fotogénicos, afinal, são os melhores actores e actrizes do mundo. Retratá-los em estilo retro foi a ideia da fotógrafa Victoria Will, projecto integrado no Festival Sundance deste ano.

Apreciem-se os restantes trabalhos aqui.


Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro. 
Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.
— Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.
É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro.

Não há nada no mundo que não possua um instante decisivo.

Henri Cartier-Bresson

Coincidência é o nome comum, o psicólogo Carl Jung cunhou o termo sincronicidade, no entanto, ainda ninguém conseguiu ser tão objectivo e poético como o mestre-fotógrafo citado acima. O momento decisivo é o único que existe. Ponto.

É esse instante que inspira o fotógrafo polaco Maciej Dakowicz, viajante de olho atento e dedo ligeiro.